segunda-feira, 10 de março de 2008

Ele não sai

Eu juro, eu rezo para que todos os "esquemas" dele vá para agua abaixo, que as demais partes deem "mio" depois eu simplesmente des-rezo pra poder encostar a cabeça no travesseiro e tentar adormecer. Mas para confessar eu ando com medo de perder meu posto, não que exista um posto meu na vida dele, mas eu preciso acreditar que há, talvez ele seja a única coisa ( pessoa) que me anima, porem logo já desanima pelo fato de não estar por perto. Bom isso é um bando de bobagem escritas correndo, antes da aula começar, antes de eu tentar me concentrar naquela cara a frente das pessoas que fala fala fala coisas que não dizem nada.
Bom lá vou eu de volta rotina, tentando fugir, porque eu sei que se eu não vidra meus olhos no professor cairei no pensamento, na minha imaginação de tentar imaginar o que ele esta fazendo exatamente agora. Bom quem sabe ele vai sair da minha cabeça e dar uma volta e uma folga para mim =)

Um comentário:

Thiago disse...

Não há paciência para jogos. Mesmo a incerteza que nos pica à noite tem seu tempo, e ele encurta com o passar de si, se circularizando.
É tudo uma questão, simplesmente (mesmo que não acredite), de querer.
Então, simplesmente não se pode esperar, óbviamente, pela boa vontade, descobrimento, raio, epifania que seja.
Cada um a seu tempo, mas eu tenho o meu, que creio ser diferente do seu.